JM Informática

Migração para a nuvem

Afinal, por que investir na migração para a nuvem?

No mercado atual, a informação é a “menina dos olhos”, o ativo de ouro das organizações. Nesse cenário, a migração para cloud computing é uma estratégia fundamental para gerar vantagem competitiva e garantir que o negócio responda rapidamente às mudanças, além de conceder escalabilidade para as operações, mais flexibilidade, custo-benefício e melhoria na segurança dos dados.

Tome nota de 6 vantagens inegáveis para migrar sua empresa para o modelo cloud:

Custo-benefício e redução de gastos

Sem dúvidas, uma das grandes vantagens da migração para a nuvem está no custo-benefício. No modelo de serviço, as organizações pagam apenas pelos recursos que utilizam, o que favorece a escalabilidade.

Além disso, a cloud elimina os altos custos com hardware – isso porque as informações da empresa ficam armazenadas em um data center online. Nesse sentido, os gastos com novos equipamentos, licenças de software e energia são cortados e/ou reduzidos.

Vale lembrar, ainda, que a nuvem oferece facilidade de gerenciamento e configurações, o que também impacta positivamente no orçamento da TI.

Alto nível de segurança

Ao oferecer recursos como criptografia e a barreira de proteção dos firewalls, a nuvem é um dos locais mais seguros para o armazenamento dos dados corporativos.  Além disso, o modelo reduz drasticamente os riscos de roubo e avarias, que ficam mais evidentes no armazenamento em infraestrutura física.

Escalabilidade/Flexibilidade

A nuvem é “elástica” – isso significa que sua capacidade pode se adaptar conforme as demandas da empresa. Na prática, isso torna o modelo perfeito para os negócios que têm necessidades crescentes ou flutuantes ao longo do tempo.

Caso seja preciso, a cloud permite aumentar facilmente a capacidade dos servidores remotos, e o mesmo pode ser dito sobre a redução da escala. Os recursos e o espaço, como mencionamos, são pagos de acordo com os serviços utilizados, e essa flexibilidade tende a representar uma vantagem valiosa perante a concorrência.

Eficácia no backup

É interessante destacar que o reforço à segurança da informação também envolve uma melhor recuperação de desastres, o que inclui a maior eficácia do backup. No modelo cloud, há a sincronização automática dos arquivos diretamente dos dispositivos para a rede, promovendo a rápida recuperação dos dados em caso de incidentes e falhas.

Mobilidade e colaboração nas rotinas de trabalho

Uma vez que todas as informações, sistemas e arquivos de trabalho são salvos e disponibilizados na nuvem, há grande facilidade de acesso (a qualquer momento e local), o que reflete diretamente na maior produtividade do time. O expediente remoto e via dispositivos móveis (como smartphones e tablets), vale lembrar, pode acontecer com segurança e eficiência, exigindo apenas a conexão à internet.

Outra vantagem relevante diz respeito à colaboração: a equipe pode acessar, compartilhar e editar os documentos de qualquer hora e lugar, realizando atualizações em tempo real.

Competitividade no mercado

Não custa repetir: a migração para a nuvem não é mais uma tendência, mas um verdadeiro imperativo no mercado atual. Quem não investe na transição fica para trás, além de perder (muito) em termos de competitividade, escalabilidade e cultura de inovação.

Migração para a nuvem: passo a passo para uma transição eficaz

1. Invista em planejamento: o que será migrado?

Antes de efetivamente iniciar a migração para a nuvem, é fundamental ter um plano para que o processo atenda a uma estratégia maior de crescimento da empresa, incluindo a escolha de uma solução adequada às demandas atuais.

Nesse contexto, o primeiro passo é decidir o que será migrado, considerando a criticidade e as vantagens para cada processo e tipo de informação corporativa. Tenha em mente que, por vezes, nem todas as aplicações poderão se beneficiar da nuvem – a natureza do negócio e das operações deve ser considerada.

2. Crie um cronograma de migração

Aqui, é interessante investir em um mapeamento completo do processo, sinalizando os pontos mais importantes e definindo etapas da transição para a cloud. Vale lembrar que essa organização é vital para reduzir o retrabalho e garantir que cada fase seja concluída com sucesso.

Entre os pontos importantes a se considerar, podemos citar:

  • De que forma a migração será realizada?
  • Quais serviços e dados serão migrados em cada fase?
  • Quais são os prazos para o processo?
  • Como a eficácia será mensurada?

3. Avalie e escolha o melhor modelo de nuvem

Hoje, as empresas podem optar por uma variedade de modelos de serviço cloud, a exemplo da nuvem pública, privada ou híbrida, além da tendência do multicloud.

O mais importante, nesta etapa, é avaliar os prós e contras de cada tipo de solução, verificando qual tecnologia é a mais adequada para atender às demandas do negócio.

4. Considere contar com especialistas de confiança

Para guiar todo o projeto de implementação do ambiente cloud, definir o melhor modelo de serviço, fornecer a infraestrutura necessária e implementar melhorias conforme as demandas e o orçamento da sua empresa, o ideal é eleger especialistas de confiança para uma boa parceria de migração para a nuvem.

Além de oferecer a expertise para o processo em si e seu posterior gerenciamento, a terceirização é o melhor caminho para alcançar os resultados desejados e possibilitar que a equipe permaneça focada no desenvolvimento estratégico do negócio.

5. Defina um plano de integração

Além de planejar a jornada em si, é importante pensar no momento pós-migração. Afinal de contas, a implantação do ambiente cloud centraliza e promove a integração de diversos colaboradores e setores do negócio.

Dessa forma, defina fatores críticos como os termos de utilização para os softwares e regras de colaboração para a edição de arquivos, além de normas de acesso aos dados armazenados na nuvem.

6. Aplique testes de segurança e performance

“O que não é medido não pode ser melhorado”: esta máxima também se aplica à jornada de migração para a nuvem. No que diz respeito à segurança, é recomendado investir em testes baseados em tentativas de driblar o sistema e, em consequência, atingir a proteção adequada do ambiente.

Por sua vez, mensurar o desempenho também deve entrar em cena: monitore índices de produtividade, potenciais gargalos e a qualidade da conexão para evitar dor de cabeça futura e assegurar todas as vantagens do modelo cloud selecionado.

Conclusão

A adesão massiva à migração para a nuvem não deixa dúvidas: as vantagens e facilidades do modelo são inegáveis. Atualmente, o uso de ferramentas inovadoras e a manutenção da competitividade das organizações estão ligados à cloud – o que também  promove maiores e melhores resultados.

 

Gostou das dicas acima? Acompanhe nosso blog e veja mais conteúdos interessantes!

 

Fonte: microserviceit.com.br (texto adaptado)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *